27 março 2010

o outro eu e o escritor de minas

não foi a primeira vez, de tempos em tempos o mesmo episódio, confundem o meu nome, tenho a alcunha dos escritores, mas nao sou fernando, e o meu nome não é sobrenome, da primeira vez, ligaram para minha sala, voz feminina em tom agudo, soprano nos versos e meneios, quase entabula uma malevolente saudação, e ai guri, tudo bem contigo? o guri foi a pista para o equivoco, nao era comigo, nao poderia ser, convicto lembrei que o meu nome era o primeiro e que o outro, apesar de colega, nao ficava na mesma sala e, bem mais jovem, seria obsequioso e oportuno procura-lo, nao a mim. agora a mesma cena em outro contexto, para nao fugir aos autos, reproduzo a troca de telefones entre o produtor de progama da tv local e o outro eu:
X. alo, professor ....(aqui ele falou o nome que tem o matiz do equivoco), teremos um painel hoje sobre o pac, o senhor poderia participar, mesmo tendo saido do governo?
Y. ola como tal, sem tempo, ja vai tarde o que me ligas, mas participo na bucha tche, como é que nao, porque nao convidas sempre?
X. professor, o senhor está muito alegre, que bom que aceitas...gravaremos na sexta pela manha, entao podes chegar as 8horas
Y. china na calcada, gaitano fole, meu canto alegretense alegra a toda a gente....pode deixar!!!

produtor experiente e consciente de seus deveres, mesmo achando estranha a verve piadistica do professor, retomou a ligacao no dia seguinte, para confirmar data e horario da gravacao
X. professor estou ligando so para lembra-lo do nosso compromisso...
Y sim como nao, to ate pensando em levar os batuques da bambas da orgia e um amigo meu de fachinal, estarei la sem faltança...
X o senhor está alegre, hein? otimo, muito obrigado
no dia do programa o professor que de semelhanca comigo so tem o sobrenome, chegou em trajes de gala, e ja dizendo, sou cantor, mas posso falar de tudo,  do pac, entao, é um nada e posso falar por horas, exato como fazem os caras de brasilia e aquela mulher enlatada, duble de candidata, tive aulas, mas  sou ex-professor de atabaque e de carteado na praca da alfandenga....bem, o resto da historia é previsivel, foi barrado no programa que deveria contar com dois economistas e dois deputados federais, o outro faltou, o do primeiro nome onipresente no segundo nome de todos, porque pensam no escritor de minas quando lembram do seu nome, afinal, meu primeiro nome nao existe no brasil, so na italia e para mulheres desde a mae do meu pai, que ja sabiamos dessa historia, agora, somos confudidos tambem na capital dos gauchos....

Um comentário:

... DdAB - Duilio de Avila Bêrni, ... disse...

cara, bicho, gente: então quendo me chamam de duili ou duilo devo dar-me por satisfeito!
DdAB